fbpx

Usar máscaras durante uma pandemia oculta nossas emoções?

Katiane Vieira - uso de máscaras

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Você tem usado máscaras? Com a crise provocada pelo novo coronavírus, um dos grampos do “novo normal” são as máscaras. As pessoas estão individualizando suas máscaras, seja por design ou necessidade, criando-as. Muitas empresas estão nos oferecendo máscaras com os logotipos.

Algumas pessoas podem até debater a eficácia médica das máscaras como um impedimento eficaz para a disseminação do coronavírus, mas uma coisa é certa: as máscaras mudarão a maneira como nos comunicamos, ocultando muitas de nossas interações não-verbais.

Até o dia em que as máscaras não forem mais necessárias, todos teremos que ser mais sensíveis à maneira como mostramos e vemos as distinções sutis de como nos comunicamos sem palavras.

Após dez anos ministrando palestras motivacionais com foco em comportamento, pude constatar o que os estudos realizados por pesquisadores de diferentes áreas da ciência (Ray Birdwhistell -1970, Davis – 1979, Rector & Trinta -1985, Alexander Todorov – 2006) apontaram: 65% a 93% do significado emocional das mensagens é comunicado de forma não verbal, por meio de características vocais como frequência, tom, volume, postura, gestos e expressões faciais.

Também sabemos que existem sete emoções, reconhecidas entre as culturas, que são comunicadas principalmente por nossos rostos: medo, surpresa, tristeza, felicidade, raiva, desprezo e nojo.

O medo é identificado principalmente nas regiões superiores da face, principalmente nos olhos e sobrancelhas. Os olhos se arregalam para expor os brancos ao redor dos olhos e as sobrancelhas são levantadas.

A surpresa também é reconhecível na parte superior do rosto e pode parecer medo, mas existem diferenças sutis e importantes. Os olhos são arregalados e as sobrancelhas são elevadas e formam um “U” invertido. A configuração das sobrancelhas é contrastada com o medo, no qual as sobrancelhas são planas.

A tristeza é identificada principalmente por uma carranca com os cantos da boca virados para baixo, que seriam cobertos por uma máscara. No entanto, a emoção da tristeza também produz sobrancelhas comprimidas e, ocasionalmente, pálpebras caídas.

Já a identificação precisa da felicidade pode realmente se beneficiar de máscaras. É fácil fingir um sorriso, mas é difícil engajar artificialmente os músculos da bochecha e os pés de galinha nos cantos dos olhos. A felicidade é mais evidente logo abaixo dos olhos. Portanto, com uma máscara, pode ser difícil fingir que você gosta daquele presente que sua tia fez para você no seu aniversário.

A raiva pode ser percebida com precisão com uma máscara facial, porque é expressa ao redor dos olhos. O principal sintoma é o aparecimento de duas linhas paralelas entre as sobrancelhas e um aperto nas pálpebras.

Nojo também pode ser reconhecido com uma máscara. É mais evidente pela dobra da parte superior do nariz. Nós puxamos nosso nariz para cima quando estamos com nojo.

Já o desprezo pode ser o mais difícil de detectar com a presença de uma máscara facial. É exibido por um sorriso unilateral. Pode ser acompanhado por outros comportamentos não-verbais, como um tom sarcástico, puxando os ombros para trás, inclinando a cabeça para trás e literalmente olhando para baixo do nariz, mas é o sorriso que primeiro identificamos.

Um estudo realizado na Ásia, registrado no Chinese Clinical Trial Register (ChiCTR), onde muitas culturas fazem uso de máscaras faciais há vários anos (devido à poluição atmosférica e à SARS), avaliou diretamente os efeitos das máscaras nas percepções interpessoais.

Uma das constatações consistentes é que as percepções de empatia são ocultas pela presença de máscaras. O estudo comparou médicos com e sem máscaras faciais e a percepção de satisfação dos pacientes com a visita, o cumprimento das diretrizes médicas e a demonstração de empatia pelos médicos. Embora as máscaras não tenham influenciado a satisfação dos pacientes com a consulta ou o cumprimento das recomendações, elas influenciaram as percepções dos pacientes sobre a empatia demonstrada pelos médicos. De maneira interessante e surpreendente, quanto mais o médico interagia com os pacientes, mais pacientes acreditavam que o médico não era empático.

O declínio na empatia percebida devido às máscaras faciais – ou seja, a negação de pistas faciais para “julgar” como a outra pessoa está nos respondendo emocionalmente – é consistente, já que estão envolvidos na comunicação interpessoal sem o benefício das pistas visuais não verbais que sinalizam como a pessoa está reagindo às suas mensagens.

Intuitivamente, sabemos que conduzir nossos relacionamentos interpessoais por telefone nos nega o benefício de sugestões não-verbais. Como resultado, toda uma linguagem de emojis foi desenvolvida para que possamos contextualizar visualmente nossas mensagens digitadas.

Então, à medida que retomamos lentamente ao trabalho e à vida social, como as máscaras mudarão nossa interação diária?

As conversas provavelmente serão um pouco estranhas, pois as pessoas pesquisam as regiões expostas do rosto em busca de pistas não-verbais sobre como o outro se sente sobre o que estamos dizendo.

Como resultado, a interação pode ser um pouco mais lenta e proposital. Finalmente, podemos nos encontrar fazendo muito mais contato visual, porque essa será realmente a única janela para o estado emocional daqueles com quem estamos conversando.

Dizem que realmente sorrimos com os olhos. Estamos vendo como isso é verdade.

Poucos estudos relataram pacientes em quarentena com sentimentos positivos como felicidade, alívio e proteção. Para ajudar neste momento difícil que vivemos, causado pelo novo coronavírus, gravei um podcast onde apresento 5 dicas da neurociência para torna-lo mais feliz. Prefere ler? O conteúdo também está disponível através de artigo. Para conferir o artigo, basta clicar aqui

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Katiane Vieira
Katiane Vieira

Escritora, palestrante e atitude e empreendedora social com foco em desenvolvimento sustentável. Seu objetivo é motivar as pessoas de todos os cantos do mundo a fazerem mais para que possam viver uma vida mais feliz, seja para obter mais benefícios de suas atividades diárias ou para viver uma vida cheia de emoções positivas e realizações únicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias
Podcast
Katiane Vieira
ACESSE!
Acompanhe no Facebook
Teste de Inteligência Emocional
Quer receber novidades? Coloque seus dados abaixo!

Escritora e Palestrante

ENTRE EM CONTATO

Contato para Palestras

contatos

© Copyright  2020 | Katiane Vieira | Todos os direitos reservados.

Scroll Up