fbpx

Neurociência da felicidade: como as emoções influenciam em seu cérebro

Os cérebros felizes são mais criativos, mais rápidos e mais alertas mentalmente. Novo campo de estudos, a neurociência da felicidade começa a desvendar mecanismos do cérebro associados a sentimentos positivos e como interferir para ativá-los.
Emoções

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Se você quer ser feliz pelo resto de sua vida, certifique-se de manter seu cérebro feliz. Por quê? Porque ser feliz é mais importante para o seu cérebro do que você imagina. Na verdade, sentir prazer pode ser tão estimulante para o cérebro que ele está preparado para responder ao prazer de uma forma que o reforça. Seu cérebro oferece recompensas para guiá-lo no caminho da felicidade, e você pode oferecer recompensas que o estimularão a se tornar ainda mais sintonizado – e a crescer até a velhice.

Outras razões para querer um cérebro feliz: a variação negativa de humor perturba sua interação com o ambiente, afetando sua capacidade de perceber, lembrar e reforçar conexões neurais existentes ou criar novas, enquanto ser feliz melhora sua capacidade de ser mais alerta cognitivamente e produtivo.

Ser feliz também:

  • Estimula o crescimento das conexões nervosas
  • Melhora a cognição, aumentando a produtividade mental
  • Melhora a sua capacidade de analisar e pensar
  • Afeta sua visão dos arredores
  • Aumenta a atenção
  • Leva a pensamentos mais felizes

 

Pessoas felizes são mais criativas, resolvem problemas mais rápido e tendem a ser mais alertas mentalmente.

 

O poder dos pensamentos positivos

Seus pensamentos formam seu caráter, como você opera no mundo e o quanto você viaja mental, física e espiritualmente. Você é o que pensa que é e todas as suas ações procedem do pensamento. Seus pensamentos internos sempre se refletirão nas circunstâncias externas, porque as mudanças autogeradas em sua vida são sempre precedidas por mudanças na maneira como você pensa sobre alguma coisa.

No que diz respeito ao cérebro, todo pensamento libera substâncias químicas cerebrais. Estar focado em pensamentos negativos efetivamente suga o cérebro de sua força positiva, desacelera-o e pode ir tão longe a ponto de diminuir a capacidade de funcionamento do cérebro, até mesmo criando depressão.

Por outro lado, pensamentos positivos, felizes, esperançosos, otimistas e alegres diminuem o cortisol e produzem serotonina, o que cria uma sensação de bem-estar. Isso ajuda o cérebro a funcionar na capacidade máxima.

Pensamentos felizes e positivos, em geral, apoiam o crescimento do cérebro, bem como a geração e o reforço de novas sinapses, especialmente em seu córtex pré-frontal (PFC), que serve como o centro de integração de todas as suas funções cérebro-mente.

Em outras palavras, seu PFC não apenas regula os sinais que seus neurônios transmitem para outras partes do cérebro e para seu corpo, mas permite que você pense e reflita sobre o que está fazendo fisicamente.

Em particular, o PFC permite que você controle suas respostas emocionais por meio de conexões com seu cérebro límbico profundo. Dá a você a capacidade de se concentrar em tudo o que você escolher e de obter uma visão sobre seus processos de pensamento.

O PFC é a única parte de seu cérebro que pode controlar suas emoções e comportamentos e ajudá-lo a se concentrar em quaisquer objetivos que decida perseguir. Ajuda você a crescer como ser humano, a mudar o que deseja mudar e a viver a vida da maneira que decidir!

 

Por que o otimismo leva a uma felicidade maior

Os neurocientistas descobriram que as pessoas que têm uma disposição mais alegre e são mais propensas ao otimismo geralmente apresentam maior atividade no PFC esquerdo. Mas essa é uma explicação cerebral.

Curiosamente, os cientistas comportamentais observaram diferenças fascinantes entre otimistas e pessimistas. O otimismo, por exemplo, envolve componentes cognitivos, emocionais e motivacionais altamente desejáveis. Pessoas otimistas tendem a ter um humor melhor, a ser mais perseverantes e bem-sucedidas e a ter uma saúde física melhor. Um fator pode ser simplesmente que os otimistas atribuem bons eventos a si mesmos em termos de permanência, citando suas características e habilidades como a causa, e eventos ruins como transitórios (usando palavras como “às vezes” ou “recentemente”), ou culpa de outras pessoas .

Além disso, otimistas:

  • São mais felizes, ricos e realizados
  • Passam o mínimo de tempo sozinhos e a maior parte do tempo socializando
  • Têm bons relacionamentos
  • Têm melhores hábitos de saúde
  • Ter um sistema imunológico mais forte
  • Vivem mais que os pessimistas.

 

Por outro lado, pessoas pessimistas explicam bons eventos citando causas transitórias, como humor e esforço, e eventos ruins como condições permanentes (usando palavras como “sempre” ou “nunca”).

 

Pessimistas:

  • Assumem automaticamente que os reveses são permanentes, generalizados e devidos a falhas pessoais
  • São oito vezes mais propensos a ficar deprimidos do que os otimistas
  • Têm pior desempenho na escola e no trabalho
  • Têm relacionamentos interpessoais mais difíceis
  • Morrem mais cedo que os otimistas.

 

De acordo com Sonia Lyubomirsky, pesquisadora da Universidade da Califórnia, pessoas infelizes passam horas se comparando a outras pessoas, tanto acima quanto abaixo de si mesmas na escala de felicidade; pessoas felizes não se comparavam a ninguém.

A boa notícia é que você pode usar sua mente para treinar seu cérebro para reprimir os pensamentos negativos que levam ao pessimismo, enquanto aumenta os tipos de pensamentos positivos que levam ao otimismo.

Você pode ser o mestre das mudanças neuronais que levarão a uma maior felicidade, e a reconfiguração começa nesses pequenos milagres conhecidos como células cerebrais, ou neurônios. Mesmo que a depressão seja familiar, você tem a capacidade de melhorar o funcionamento do cérebro, de criar bloqueios neuronais e diminuir os padrões neuronais ligados ao pensamento negativo. Você pode não ser capaz de erradicar uma disposição genética para a depressão, mas pode reduzir muito seu impacto e sua recorrência.

 

Pensamento negativo, saldo negativo

O pensamento negativo desacelera a coordenação do cérebro, tornando difícil processar os pensamentos e encontrar soluções. Sentir medo, que muitas vezes acontece quando focado em resultados negativos, mostrou diminuir a atividade do cerebelo, o que retarda a capacidade do cérebro de processar novas informações, limitando sua capacidade de praticar a resolução criativa de problemas. Além disso, o fator medo afeta o lobo temporal esquerdo, o que afeta o humor, a memória e o controle dos impulsos.

Seu lobo frontal, particularmente seu PFC, decide o que é importante de acordo com a quantidade de atenção que você presta a algo e como você se sente a respeito. Assim, quanto mais você se concentra na negatividade, mais sinapses e neurônios seu cérebro criará para apoiar seu processo de pensamento negativo.

Seu hipocampo fornece o contexto de memórias armazenadas, o que significa que o tom emocional e a descrição que sua mente cria podem religar seu cérebro criando sinapses e vias neuronais mais fortes. O que você pensa e sente sobre uma determinada situação pode ficar tão profundamente arraigado que você terá que trabalhar duro para desmontar as conexões negativas e reconectar seu cérebro para ter menos medo, pensar positivamente, acreditar que os sonhos podem se tornar realidade, para confiar que seus esforços serão bem-sucedidos.

 

Treine seu cérebro para pensar mais positivamente

Um dos preceitos mais antigos da neurociência é que nossos processos mentais (pensamento) se originam da atividade cerebral: que nosso cérebro é o responsável quando se trata de criar e moldar nossa mente. No entanto, pesquisas mais recentes mostraram que também pode funcionar ao contrário: que a atividade mental repetitiva e focada pode afetar mudanças na estrutura, fiação e capacidades do seu cérebro.

As ações que realizamos podem literalmente expandir ou contrair diferentes regiões do cérebro, ativando circuitos ou comprimindo-os. Quanto mais você pede ao seu cérebro para fazer, mais espaço cortical ele cria para lidar com as novas tarefas. Ele responde forjando conexões mais fortes em circuitos que fundamentam o comportamento ou pensamento desejado e enfraquecendo as conexões em outros. Assim, o que você faz e o que pensa, vê ou sente é refletido no tamanho de suas respectivas regiões cerebrais e nas conexões que seu cérebro forma para acomodar suas necessidades.

O que tudo isso significa? Isso significa que o que pensamos, fazemos e dizemos é importante; que afeta quem nos tornamos por fora, por dentro e em nosso cérebro. Principalmente, significa que você pode treinar novamente seu cérebro para ser mais positivo.

Comece pensando coisas felizes, olhando para o lado positivo e reorientando o cérebro quando ocorrerem pensamentos negativos. Sua mente tem a capacidade de determinar como seu cérebro pensa sobre o que acontece em sua vida. Use-o para sua própria vantagem para reestruturar eventos e pensar positivamente.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Katiane Vieira
Katiane Vieira

Escritora, palestrante e atitude e empreendedora social com foco em desenvolvimento sustentável. Seu objetivo é motivar as pessoas de todos os cantos do mundo a fazerem mais para que possam viver uma vida mais feliz, seja para obter mais benefícios de suas atividades diárias ou para viver uma vida cheia de emoções positivas e realizações únicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias
Podcast
Katiane Vieira
ACESSE!
Teste de Inteligência Emocional
Acompanhe no Facebook
Quer receber novidades? Coloque seus dados abaixo!
Scroll Up