fbpx

Como desenvolver a Inteligência Emocional

O desenvolvimento da Inteligência Emocional gera autogestão, consciência social e maior probabilidade no alcance de objetivos e metas de vida. Conheça cinco passos que podem servir para substituir comportamentos contrários à IE e, por consequência, mudar como os outros o veem.
IE

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Como desenvolver a Inteligência Emocional? Este é sem dúvida um assunto muito importante para falarmos, pois, a Inteligência Emocional é um dos principais fatores para ter sucesso seja no ambiente profissional, nas relações interpessoais e também para a automotivação.

O desenvolvimento da Inteligência Emocional gera autogestão, consciência social e maior probabilidade no alcance de objetivos e metas de vida.

Esta inteligência está relacionada a elementos fundamentais no comportamento, que independem do intelecto. Pois consiste na capacidade de perceber e interpretar as próprias emoções, bem como gerir e interpretar as emoções das pessoas que estão no nosso convívio social.

Por isso é considerada a competência responsável por boa parte do sucesso ou insucesso de uma pessoa e da capacidade de liderança de um ser humano.

É fato que algumas pessoas possuem essa inteligência mais elevada que outras, contudo fatores ambientais e treinamentos comportamentais podem ser utilizados com o objetivo de desenvolver tal inteligência.

Se você tiver se perguntando: como saber se você tem alto ou baixo nível de Inteligência Emocional. 

Saiba que existem algumas características que se destacam no comportamento de pessoas que possuem alto ou baixo quociente emocional.

Por exemplo: força de vontade, persuasão, facilidade em ouvir, consistência, carisma, organização, entusiasmo, decisão e paciência são algumas características que denotam um nível mais elevado de Inteligência Emocional.

Por sua vez, agressividade, autoritarismo, resistência a mudanças, perfeccionismo, impulsividade, estas são apenas algumas atitudes que denotam baixa Inteligência Emocional.

Você se identificou ou conhece algum alguém com estas características?

Possivelmente você está diante do que chamamos de analfabetismo emocional.

Na maioria dos casos o baixo nível de Inteligência Emocional é decorrente do analfabetismo emocional.

Isso ocorre pois, em geral, as pessoas não aprendem a ler, expressar ou lidar com as emoções. Muitas vezes acontece até o contrário: o indivíduo aprende que as emoções podem ser perigosas e devem ser reprimidas. E assim como todas as coisas do universo, as emoções são energias que precisam ser liberadas em algum momento.

Quando reprimimos e bloqueamos as emoções, ignorando suas mensagens e significados, elas inevitavelmente encontram uma forma de se expressar fisicamente — seja por meio de doenças ou por padrões de comportamento.

O analfabetismo emocional nos faz paralisar diante do medo, explodir de raiva, afundar em tristeza e até perder o controle na alegria. Por mais que as pessoas tentem esconder e reprimir as emoções, elas estão presentes em todos os momentos da vida.

Pessoas com baixo nível de Inteligência Emocional vão para o mercado de trabalho e se deparam com uma série de situações para os quais não foram preparados, tornam-se adultos ansiosos, deprimidos, frustrados e/ou medrosos. Não sabem lidar com situações adversas como conflitos interpessoais, pressões, fracassos, competição ou injustiça.

O resultado é que se tornam vulneráveis às situações da vida, alguns ficam agressivos, outros passivos demais. Portanto, o ideal é que a Inteligência Emocional fosse ensinada desde a infância.

A boa notícia é que a Inteligência Emocional é uma habilidade que pode sim ser aprendida. E desenvolver a Inteligência Emocional e criar consciência sobre o que cada emoção representa é a forma mais eficiente de vencer o analfabetismo emocional.

Simplesmente porque pessoas emocionalmente equilibradas, são capazes de perceber as emoções e as mensagens que elas trazem, direcionando os sentimentos de forma consciente e construtiva.

E é importante nesse momento que você saiba que todos nós seres humanos temos capacidade para desenvolver nossas habilidades emocionais. Sim! A Inteligência Emocional pode ser desenvolvida, treinada e aprimorada com a construção de novos hábitos, novas formas de pensar e se de comportar.

E por falar em hábitos, recentemente eu gravei um vídeo com algumas dicas sobre como mudar hábitos ruins. São dicas que constam no meu livro: Hábitos de Sucesso – Um guia sobre como construir bons hábitos e mudar hábitos ruins. Tenho postado alguns vídeos com dicas simples e eficazes quando falamos sobre desenvolvimento. Considere conhecer o canal e aproveite para acionar as notificações para você receber aviso de novos vídeos. 

Vamos ao conceito de Inteligência Emocional?

A Psicologia descreve a Inteligência Emocional como a capacidade de reconhecer e avaliar os seus próprios sentimentos e os sentimentos dos outros, assim como a capacidade de lidar com eles.

Resumidamente, a Inteligência Emocional, é a capacidade de sentir, entender, regular e aplicar eficazmente o poder e a perspicácia das emoções. Mais especificamente, a como (e o quanto) se percebe, processa, compreende e tem habilidade de gerenciá-las. Isso inclui todas elas, das básicas às sociais.

Vale reforçar também, que Inteligência Emocional não é somente ter autocontrole sobre as emoções, ser amável ou se dar bem com os outros. Quando falamos em Inteligência Emocional desenvolvida significa que somos capazes de entender nossa própria constituição emocional e as das outras pessoas.

Inteligência Emocional também é um tipo de inteligência adaptativa, relacionada à nossa capacidade de avaliar ou reconhecer a situação em que nos encontramos. O que isso Significa? Significa que conseguimos agir sabiamente e de maneira adequada diante do contexto em que estamos inseridos.

Além das características que eu falei anteriormente, as pessoas emocionalmente inteligentes apresentam cinco características recorrentes divididas em dois grupos de  habilidades: intra e as interpessoais.

Habilidades Intrapessoais é um conjunto de habilidades que diz respeito ao QUANTO conhecemos verdadeiramente a nós mesmos e COMO podemos usar esse conhecimento para agirmos de forma eficaz na vida. Assim, pessoas com habilidades intrapessoais possuem três competências fundamentais.

  • Autoconhecimento emocional – reconhecer as próprias emoções e sentimentos quando ocorrem;
  • Controle emocional – lidar com os próprios sentimentos, adequando-os a cada situação vivida;
  • Automotivação – dirigir as emoções a serviço de um objetivo ou realização pessoal.

Já as Habilidades Interpessoais referem-se ao conjunto de habilidades de pessoas que sabem lidar de forma eficaz com os outros. Elas conhecem o que os motivam, como trabalham, agem de forma cooperadora com eles, assim como obtêm cooperação. Portanto, pessoas com habilidades interpessoais apresentam capacidades como:

  • Reconhecimento de emoções em outras pessoas – reconhecer emoções no outro e empatia de sentimentos; e
  • Habilidade em relacionamentos interpessoais – interação com outros indivíduos utilizando competências sociais.

Quer saber qual seu nível de inteligência emocional? Considere fazer o teste de Inteligência Emocional que disponibilizo gratuitamente aqui no site. Para fazê-lo, basta clicar aqui!

 
Enquanto isso, que tal algumas dicas de como desenvolver seu coeficiente de Inteligência Emocional ou como você pode desenvolvê-lo ainda mais?

Embora existam aspectos permanentes que determinam o temperamento e a personalidade – herança genética, por exemplo –, muitos dos circuitos cerebrais da nossa mente são maleáveis e podem ser trabalhados, impactando o nível de inteligência emocional.

Revisar mentalmente as habilidades que ela envolve e perceber em quais precisa trabalhar é o primeiro passo para aumentá-la. O feedback externo também é um ótimo medidor para se orientar e desenvolver a IE.

Eu recomendo cinco passos fundamentais para aumentar a inteligência emocional.

1  – Transformar o autoengano em autoconsciência

A personalidade, e consequentemente a IE, se molda, principalmente, com base na identidade e na reputação. Para muitas pessoas existe uma disparidade entre os dois, o que pode fazer com que elas ignorem qualquer feedback negativo.

No entanto, a verdadeira autoconsciência consiste em conseguir ter uma visão realista dos próprios pontos fortes e fracos. Isso não vai acontecer sem feedback preciso. Investir em avaliações baseadas em dados, como testes de personalidade e pesquisas de feedback é uma boa.

2 – Transformar o foco em si próprio em foco nos outros

Para quem tem níveis mais baixos de IE, é difícil visualizar as coisas pela perspectiva dos outros. Especialmente quando não há escolha certa ou errada. Desenvolver uma abordagem centrada nos outros começa com reconhecimento das forças, fraquezas e valores de cada um.

Em um contexto de trabalho, conversas frequentes com os membros da equipe levarão a um entendimento melhor de como motivar e influenciá-los.

3 – Agir de forma que torne a convivência gratificante

A convivência com pessoas que têm mais altos níveis de IE tende a ser vista como mais recompensadora. Os mais “recompensadores” tendem a ser mais cooperativos, amigáveis, confiantes e altruístas.

É importante garantir, sempre, um nível apropriado de contato antes de pedir ajuda ou passar uma tarefa a alguém. Além disso, procurar compartilhar conhecimento e recursos sem expectativa de reciprocidade.

4  – Controlar “explosões”

Principalmente no ambiente de trabalho, não é bom mostrar frustração sempre que surge um problema inesperado. Então, se você é uma pessoa que tem “muita transparência emocional”, é melhor se moderar.

Para fazer isso, é preciso perceber que situações tendem a desencadear sentimentos negativos. Detectando seus gatilhos, “você consegue evitar situações estressantes e inibir suas reações”.

Procure trabalhar táticas que o ajudem a se tornar consciente sobre suas emoções, em tempo real. Não só sobre a forma que as sente, mas também em termos de como elas estão sendo vistas pelos outros.

5  – Mostrar humildade

Em questão de carreira, a autoconfiança, em certo grau, é vista como um traço inspiracional. Porém, os melhores líderes são os que parecem ser humildes. Estes transmitem segurança para a equipe.

Encontrar um equilíbrio saudável entre assertividade e modéstia, demonstrando receptividade ao feedback e capacidade de admitir os erros, é uma das tarefas mais difíceis de dominar. No entanto, no contexto profissional, é importante esconder a arrogância – caso ela exista – e mostrar humildade.

No que diz respeito as habilidades sociais, que lidam com a relação e interação com outros, há algumas que você deve considerar. Como por exemplo algumas habilidades que estão em alta no mercado de trabalho e que são indispensáveis para qualquer profissional.

  • Colaboração: saber trabalhar bem em grupo
  • Flexibilidade: saber se adaptar às mudanças
  • Trabalhar sob pressão: gerenciar estresse sem perder o foco
  • Comunicação eficaz: ouvir atentamente e se comunicar de maneira clara
  • Orientação para resultados: atingir o resultado final da maneira mais eficaz possível
  • Liderança de equipe: saber como motivar e engajar grupos

As habilidades sociais variam de ser capaz de sintonizar os sentimentos de outra pessoa e entender como cada um pensa, até a capacidade de negociação. Todas podem ser aprendidas na vida, contanto que se dedique tempo, esforço e seja perseverante durante o processo.

Outra forma é distanciar suas distrações ao interagir socialmente. É impossível perceber as emoções do outro se você não é capaz de ouvi-lo. Isso tem a ver com escuta ativa. Também há um vídeo com dicas de como desenvolver a escuta ativa lá no meu canal do Youtube.

Em suma, para desenvolvermos a Inteligência Emocional é necessário primeiro desenvolver um olhar para si, possuir o autoconhecimento dos nossos sentimentos, potencialidades e limitações, e assim poderemos nos relacionar de maneira saudável com o ambiente externo que nos cerca.

Então, comece a praticar essas dicas para aumentar seu coeficiente de Inteligência Emocional e veja como essa prática pode mudar sua vida. E, se precisar de orientação e direcionamento para ter resultados ainda melhores, confira os vídeos que mencionei nesse artigo.

🎧 Também gravei um poscast abordando este assunto de uma forma muito mais completa. Você pode conferi-lo aqui ou ouvi-lo através de plataformas como Spotify, Apple Podcast, Google Podcast, CastboxAnchor, entre outros. Basta procurar por Katiane Vieira Oficial.

💬 Gostou? Curta, deixe um comentário e compartilhe com pessoas que você acredita que o conteúdo possa ajudá-las. Conhecimento foi feito para ser compartilhado. Eu compartilho com você e você compartilha com outros!

Abraços a até breve.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Katiane Vieira
Katiane Vieira

Escritora, palestrante e atitude e empreendedora social com foco em desenvolvimento sustentável. Seu objetivo é motivar as pessoas de todos os cantos do mundo a fazerem mais para que possam viver uma vida mais feliz, seja para obter mais benefícios de suas atividades diárias ou para viver uma vida cheia de emoções positivas e realizações únicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias
Podcast
Katiane Vieira
ACESSE!
Acompanhe no Facebook
Teste de Inteligência Emocional
Quer receber novidades? Coloque seus dados abaixo!

Escritora e Palestrante

ENTRE EM CONTATO

Contato para Palestras

contatos

© Copyright  2020 | Katiane Vieira | Todos os direitos reservados.

Scroll Up